No nome de Cristo – Andrew Murray

andrew murray No nome de Cristo   Andrew MurrayE tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei… Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei.

…e vos designei [...] a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda.

Em verdade, em verdade vos digo, se pedirdes alguma coisa ao Pai, Ele vo-la concederá em meu nome. Até agora nada tendes pedido em meu nome; pedi, e recebereis, para que a vossa alegria seja completa.

Naquele dia pedireis em meu nome… (Jo 14.13-14; 15.16; 16.23-24,26).

Em meu nome” é repetido seis vezes nesses textos. Nosso Senhor sabia como seria lento nosso coração para absorver essas palavras e, por isso, não se cansou de repetir as verdades vez após vez. Como ele ansiava para que realmente acreditássemos no poder que há no seu Nome: poder para fazer as orações chegarem ao trono e poder para levar todo joelho a se dobrar naquele dia. Entre o maravilhoso “tudo quanto pedirdes” e o divino “eu o farei”, há esse simples elo de ligação:“em meu nome”. Tanto o nosso solicitar quanto a concessão do pedido da parte do Pai devem ser igualmente feitos em nome de Cristo. Tudo na oração depende de compreendermos isso.

Sabemos que um nome é uma palavra que suscita à mente todo o ser e a natureza de alguém ou alguma coisa. O nome de Deus tem o objetivo de expressar toda a natureza e glória divinas. O nome de Cristo expressa toda a sua natureza, sua pessoa e obra, sua disposição e seu Espírito. Pedir em nome de Cristo é orar em união com Ele.

Quando um pecador aceita a Cristo pela primeira vez, ele só conhece seu mérito e sua intercessão. E, até o fim, é nisso que se fundamenta a nossa fé.

Entretanto, à medida que o discípulo cresce em graça e entra de maneira mais profunda e verdadeira em união com Cristo – ou seja, à medida que permanece nele –, ele aprende que orar em nome de Cristo é orar em seu Espírito, com a sua própria natureza, conforme o Espírito Santo a implanta nele. Quando compreendemos o significado das palavras “Naquele dia pedireis em meu nome” –, ou seja, no dia em que Cristo veio habitar em seus discípulos pelo Espírito Santo – não ficaremos mais estarrecidos diante da grandeza da promessa: “Tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei”.

O que for pedido no nome de Cristo, em união com ele, em consonância com sua natureza e Espírito, será concedido. À medida que a natureza de Cristo e de sua vida de oração for implantada em nós, seu poder de oração passará a ser nosso também. A honesta e sincera entrega, de todo o coração, a tudo que Cristo deseja ser em nós, será a medida de nossa integridade espiritual e poder para orar em seu nome.

Se permanecerdes em mim…”, diz ele, “pedireis o que quiserdes” (Jo 15.7). À medida que vivermos nele, obteremos o poder espiritual para nos beneficiarmos do seu nome. Assim como o ramo inteiramente dedicado à vida e ao serviço da vide pode contar com toda a sua seiva e força para dar frutos, da mesma forma o cristão, que aceitou por fé a plenitude do Espírito para tomar conta de toda a sua vida, pode de fato beneficiar-se de todo o poder do nome de Cristo.

Cristo veio à Terra como homem para nos revelar em que consiste a oração. Para orar em nome de Cristo, devemos orar como ele orou na Terra; como ele nos ensinou a orar; em união com ele, como ele agora ora no céu. Devemos, com fé e amor, estudá-lo e aceitá-lo como nosso exemplo, nosso mestre e nosso intercessor.

Cristo É Nosso Exemplo

Quando compreendemos quanto tempo Cristo passou em oração e como todos os acontecimentos relevantes de sua vida estiveram ligados a períodos especiais de oração, fica mais clara a necessidade de absoluta dependência do mundo espiritual e da comunicação permanente com ele, para que tenhamos vida celestial ou exercitemos poder celestial à nossa volta.

Sobre o batismo de Jesus, está escrito: “E aconteceu que, ao ser todo o povo batizado, também o foi Jesus; e estando ele a orar, o céu se abriu” (Lc 3.21). Foi na oração que o céu se abriu para ele, e que o céu desceu até ele por meio do Espírito e da voz do Pai. Foi nesse poder que ele foi levado ao deserto, em jejum e oração, para ser testado e para aprender a usar plenamente as faculdades e armas espirituais.

Marcos registra: “Tendo-se levantado alta madrugada, saiu, foi para um lugar deserto, e ali orava”(Mc 1.35). E, mais adiante, conta-nos Lucas: “… e grandes multidões afluíam para ouvi-lo e serem curadas de suas enfermidades. Ele, porém, se retirava para lugares solitários, e orava.” (Lc 5.15,16).

Ele sabia como o serviço mais sagrado – como pregar e curar – pode exaurir o espírito; como excessiva interação com os homens pode empanar a amizade com Deus; como é necessário separar tempo para que o espírito descanse e crie raízes na verdadeira vida; como a pressão de obrigações para com os homens, seja qual for sua intensidade, jamais anula a necessidade absoluta de muita oração. Se alguém pudesse sentir-se satisfeito por viver e trabalhar sempre em espírito de oração, esse alguém seria o nosso Mestre. Mas ele não se contentava; necessitava recompor sua provisão espiritual por períodos contínuos e prolongados de oração. Usar o nome de Cristo na oração implica certamente também nisso, em seguir seu exemplo e orar como ele orava.

A respeito da noite anterior à escolha dos apóstolos, lemos que ele “retirou-se para o monte a fim de orar, e passou a noite orando a Deus” (Lc 6.12). O primeiro passo para a constituição da Igreja e a escolha dos homens que seriam suas testemunhas e sucessores exigiu dele um período especial e prolongado de oração. Tudo precisava ser feito segundo o padrão revelado no monte: “O Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai” (Jo 5.19-20). Foi durante a noite de oração que ele viu o que deveria ser feito.

No período entre a multiplicação dos pães para os cinco mil e o milagre de andar sobre as águas, quando percebeu que o povo queria tomá-lo e proclamá-lo rei à força, ele “subiu ao monte para orar sozinho” (Mt 14.23; Mc 6.46; Jo 6.15). Sua missão era fazer a vontade de Deus e mostrar o poder de Deus. Ele não o considerava como propriedade sua; era necessário orar e receber tal poder do alto.

Na introdução à história da transfiguração, lemos que Jesus “subiu ao monte com o propósito de orar” (Lc 9.28). O pedido dos discípulos: “Senhor, ensina-nos a orar” (Lc 11.1) veio depois de Jesus estar “orando em certo lugar”. Em sua vida pessoal, em sua amizade com o Pai, em tudo que ele é e faz pelos homens, o Cristo, cujo nome devemos usar, é um homem de oração.

É a oração que lhe confere o poder de abençoar e transfigura seu corpo com a glória dos céus. É sua própria vida de oração que lhe permite ensinar aos outros como orar. Quanto mais terá de ser oração, somente oração, muita oração para nos moldar até que estejamos aptos a participar da glória de uma vida transfigurada ou para nos transformar em canal de bênção celestial e ensino para os outros. Orar em nome de Cristo é orar como ele orava.

A vida e a obra de Cristo, seu sofrimento e morte – era tudo oração, dependência em Deus, confiança em Deus, recebendo de Deus e rendendo-se a Deus.

Sua redenção, ó seguidor de Jesus, foi forjada por oração e intercessão. Seu Cristo é um Cristo de oração: a vida que ele viveu para você, a vida que vive em você é uma vida de oração que se deleita em esperar em Deus e em tudo dele receber. Cristo é nosso exemplo porque ele é nosso Cabeça, nosso Salvador e nossa Vida. Em virtude de sua divindade e do seu Espírito, ele pode viver em nós; nós podemos orar em seu nome, porque permanecemos nele, e ele em nós.

Fonte: O arauto da Sua vinda

googleplus No nome de Cristo   Andrew Murray


  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100003406440916 Uilma

    Bom dia! Gostei do veddeo realmente temos esse gnadre problema: procurar a Jesus somente quando queremos algo. Eu era desse jeitinho Aprendi na marra que a dependeancia de Deus tem que ser die1ria e hj me agrado em estar batendo um papo com Jesus sem ter necessariamente que fazer pedidos . E os mais constantes se3o de prosperidade ESPIRITUAL. Que Deus o abene7oe gnadremente!

    • http://www.compiladorcristao.com/ Bruno Abreu

      é verdade, muitos só buscam quando querem alguma coisa. Precisamos lembrar do versículo: “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.” 1Co 10:31
      Que o Senhor abençoe a irmã